MARIA

O Mundo Precisa de Saber

Relatos de histórias reais vividas e contadas na primeira pessoa, pelo médico sem fronteiras, Gustavo Carona.

Acho que é preciso uma certa coragem para escrever esta história, da mesma forma que será necessário alguma coragem para a ler. Isto é apenas uma história de muitas, do dia-a-dia de uma África que poucos imaginam que exista. É não é de um passado longínquo… é de ontem, de hoje, e infelizmente de amanhã…

 

Já muito vi eu, mas como a história desta rapariga nada parecido tinha cruzado a minha vida de médico.

 

Vou-lhe chamar Maria. A Maria tinha 22 anos quando a conheci, e chegou-nos à maternidade de Bangui em circunstâncias muito especiais. 

 

A razão pela qual a Maria nos foi enviada para a maternidade de Bangui, foi para fazer um aborto. O aborto é ilegal na Rep. Centro-Africana. 

 

O assunto é sensível, e na minha opinião eticamente discutível… mas dadas as circunstâncias na minha humilde opinião, o caso da Maria não me leva sequer a pestanejar sobre a decisão. A Maria foi raptada por um grupo armado durante meses. É um dos grupos mais famosos em África, o Lord Resistance Army (LRA) do Joseph Kony… que deu origem a uma campanha americanizada chamada Kony 2012. Têm as suas raízes ideológicas no Uganda, mas desde há muito que espalham o terror pelo RDCongo, Rep. Centro-Africana e Sudão do Sul… Queimam aldeias, roubam crianças para o seu exército, espalham uma violência de contornos que nem os filmes mais sensacionalistas são capazes de descrever… A Maria foi raptada pelo LRA no leste da Rep. Centro-Africana e ficou em cativeiro ambulante durante meses… Foi violada uma e outra vez… por um, por dois, por todos… uma e outra vez…. vezes sem conta, até a despejarem algures, nas condições em que eu a conheci.

 

A violência sexual nestas zonas de conflito deveria ser combatida como prioridade máxima da humanidade. Percebermos o que estas mulheres passam, faz parecer a morte algo de bonito. É difícil perceber em que momento das nossas vidas é que nós deixamos que isto aconteça, sem nos levantarmos em revolta… E por mais difícil que nos pareça a solução… ela existe. Tem que existir.

 

A Maria parecia ter perdido a expressão humana. Não ria, não chorava, parecia desprovida de emoções… O olhar era vazio, talvez de desistência, talvez de trauma profundo, talvez de revolta, certamente de tudo um pouco. A Maria estava altamente desnutrida, não teria menos de 1,65 m e pesada 19 quilos. Se me contassem, eu diria que esta história era mentira, mas não é. Infelizmente não é. Estranho é, como é que do ponto de vista médico foi possível que ela engravidasse num estado de desnutrição tão grave. Estaria grávida de 8-10 semanas, com um útero minúsculo mas que sobressaía num abdómen espalmado de pele e osso. Talvez as últimas semanas tivessem sido mais agrestes em termos do mau tratamento que lhe deram… Muita coisa eu não sei, muita coisa ninguém perguntava… Até porque a Maria mal falava, não se segurava de pé e o pouco que sabíamos, que era já muito, era-nos contado pelo marido. Sim, pelo marido.

 

Eu confesso que já há muito tempo na minha prática médica que é quase sempre através dos familiares que levo as maiores chapadas emocionais… Talvez por ter abraçado campos da medicina, com doentes demasiado críticos, com quem eu nunca falo ou que morrem… e por isso, é através dos familiares que vejo a humanidade, a pessoa que está por “de trás” daquele doente para mim.

 

A história da Maria e o seu estado clínico dilaceravam-me o coração… mas o marido, eu nem sei bem explicar… Eu não conseguia sequer olhá-lo nos olhos, sem desatar a chorar, sem ser agredido pela violência que aquela rapariga passou, sem levar com o ricochete dos tormentos que este homem estava a passar… Até porque as histórias típicas destas zonas do planeta das raparigas que são violadas, é a exclusão imediata da sua comunidade. Como se não bastasse o sofrimento que passaram, ainda são ostracizadas e abandonadas por todos… Mas o marido da Maria estava ali ao lado. Estava sempre ali ao lado, interessado, preocupado e a ajudar em tudo o que era preciso… que era bastante, porque a Maria nem conseguia comer ou beber sozinha, tal era a debilidade da sua condição física.

 

Há coisas que não estão escritas em livro nenhum de medicina. O que fazer com esta rapariga? Ninguém sabia muito bem se era seguro fazer um aborto farmacológico num estado de desnutrição tão grave. O objectivo era salvar-lhe a vida, claro está. E pareceu-nos que o mais sensato era alimentá-la uns dias para que o seu organismo estivesse mais capaz de suportar aquilo que é sempre disruptivo em termos fisiológicos e hormonais, a “bomba” que é a interrupção voluntária da gravidez.

 

A minha vida continua, pois tenho muitas doentes/parturientes… mas sempre assombrado com esta história… Não consigo parar de pensar naquilo que esta rapariga passou. Acho que esta história marcou um antes e um depois na minha vida… E a grande razão pela qual escrevo é a vontade de ser fiel à revolta intensa que o sofrimento desta e de tantas outras raparigas, causou em mim…

 

Cada vez que ao longo do dia passava para ver como a Maria estava, sentia o estômago às voltas… Cada vez que o marido me pedia para lhe fazer o ponto da situação, eu segurava as lágrimas com toda a força, para depois as deixar sair em jacto num canto qualquer… As pessoas que faziam o necessário acompanhamento psicológico estavam destruídas. Acho que a história da Maria destruiu a vida a muita gente, mas deveria tirar o sono a muitas mais…

E o ponto que dominava toda esta história era o medo de perguntar. O medo de saber. Ajudar o mais possível, mas tentando saber o menos possível… Ninguém estava preparado para saber tudo. Eu não estava e ainda não estou. O pouco que soube tirou-me muitas noites de sono. O que aconteceria se tudo soubesse?

 

Passaram uns dias, e a Maria parecia estar a restabelecer algumas das suas forças… aos poucos parecia ter expressão facial, ia-se alimentando aos poucos cada vez melhor, mas para minha grande surpresa, numa das manhãs que chego ao hospital dizem-me que ela terá tido crises epiléticas. Eu não tenho muita experiência com desnutrição grave, mas não percebia o substrato cientifico para aquilo estar a acontecer… 

 

Tenho sempre uma reacção de dúvida constructiva… As descrições e interpretações por vezes são inconsistentes, e inespecíficas… e há sempre muito que se perde nas passagens de turno e nas barreiras linguísticas. Nestas circunstâncias mais do que nunca é preciso ver para crer. Até que vi mesmo. E vi várias vezes, algo que realmente era estranho, pois tinha movimentos rítmicos mas frustres e também alteração de consciência, mas como não estava bem consciente era difícil de avaliar… Mas concordei com a interpretação das crises epilépticas e tratamos em conformidade… Mais uma grande indecisão médica a acrescentar a todas as outras que eu já tinha. O que é que se estava a passar? Que anti-epilético? Que dose? A falta de exames laboratoriais exponenciam as minhas dúvidas ao infinito… A epilepsia não é uma doença, é um sintoma. É preciso compreender o porquê. E eu não compreendia, embora teorias hipotéticas, claro que tinha algumas. Tratei como me pareceu adequado e as crises diminuíram bastante.

Apesar desta complicação incompreendida, ela estava a melhorar lentamente, e optamos por avançar com a aborto. Foi um momento sensível. Foi uma decisão dolorosa do ponto de vista médico… mas tudo decorreu sem percalços. Uma pequena perda de sangue vaginal e a confirmação ecográfica e clínica de que está terminada esta gravidez.

 

O seu estado geral não piorou, e ela parecia aos poucos estar a voltar a ser uma pessoa… Aquilo que eram gemidos, agora já pareciam ser palavras, uma ou outra vez conseguia arrancar-se um sorriso da Maria, e com alguma ajuda já se aguentava em pé por uns segundos… A barómetro das melhorias, era o sorriso do marido qua ganhava dimensão dia após dia… Mas o caminho ainda era longo. Talvez até infinito.

E agora o que fazer com a Maria? A razão pela qual veio para a maternidade tinha terminado… E começaram a falar em transferi-la para outro hospital. Eu detesto esta conversa, porque acho sempre que nestes locais estamos a mandar os doentes para um buraco negro… Começam a convencer-me que num hospital geral há medicina interna, e neurologia, e até lhe podiam fazer um electroencefalograma (EEG), e por aí fora… Eu torci o nariz. Torço sempre nestes casos. Eu tenho um mundo infinito de coisas para aprender na medicina, e um mar de ignorância… mas comigo eu sei com o que é que eu posso contar. Mas a verdade é que uma maternidade não era o local para ela estar, e passados uns dias de contactos para a transferência, fui eu mesmo levar a Maria para o outro hospital.

E fiz as coisas à minha maneira, à maneira que me ensinaram, à maneira das boas práticas médicas. O “normal” seria despejar a doente na urgência com uns papeis e vir embora. E quando cheguei ao dito hospital o sistema, se é que há algum sistema, quase que me obriga a fazer o “normal”. Mas eu esta não ia deixar passar… Chateei toda a gente que consegui para passar a informação ao vivo e a cores ao médico que me parecesse mais bem preparado para a receber… Missão difícil. Tive que ser bruto, tive que puxar dos galões ao pedir em cascata que me chamassem alguém mais qualificado, até que cheguei ao chefe de Medicina Interna. A facto de ser branco leva a que seja tolerável um certo grau de loucura e excentricidade, que foi o que toda a gente pensou de mim ao furar pela urgência e pelo hospital a dentro… E ainda assim eu sabia bem porque é que torcia o nariz a esta transferência… Não sei como dizer isto de uma forma bonita. Estes hospitais são muito maus, a medicina é muito fraca… Falamos uma linguagem médica muito diferente, e o problema não está no meu francês.

Sentei-me sem ser convidado no gabinete do chefe de Medicina Interna, e expliquei tudo o que sabia e o que não sabia sobre o estado clínico da Maria. E não saí de lá até ter a sensação que o grosso da informação tinha passado, até lhe ter entregue os papeis da transferência em mãos, lidos em conjunto e até lhe “passar” a Maria à minha frente. Fiz o que pude. O meu desconforto era gigante, mas fiz o que pude.

Passados uns dias, chega-me a informação de que a Maria fez um electroencefalograma (EEG) e que não tinha epilepsia. E eu pensei logo: Foda-se, isto vai dar merda. Fazer um EEG é como tirar uma fotografia de um momento. Não se pode negar o diagnóstico sem a interpretação da clínica que eu tinha explicado em detalhe… E com este exame “negativo” tirar-lhe os anti-epiléticos.
Passados mais uns dias, a Maria morreu.

 

Quem é que matou a Maria?
Foram os animais que a violaram? Foi a ganância de quem alimenta esta guerra? Fui eu que devia ter sido mais teimoso e ficado com ela? Foi a pobreza da medicina da Rep. Centro-Africana? Ou fomos todos nós?

 

 

A Maria.

 

Texto da autoria de Gustavo Carona

Gostaste? Partilha com os teus amigos, ajuda-nos a crescer. Grata Fátima Carvalho.

Peças de Puzzle

Sentir

SENTIR Foto de Pixabay Estou eu aqui desnudaE transparenteDe olhos fechadosE a sentirSim, a sentirPorque eu gosto de sentir Gosto de sentir o solGosto de

Ler mais
Peças de Puzzle

3 Dicas para Saber Viver

3 DICAS PARA SABER VIVER Foto de Bankim Desai no Unsplash Dica 1    Percebermos quem nós somos, explorar e desenvolver constantemente o nosso potencial

Ler mais
Peças de Puzzle

Perdoa-te

PERDOA-TE PERDOA-TE A TI PRÓPRIO! AS COISAS PODEM MUDAR… Por vezes erros também servem para nos ajudar a sentir aquilo que realmente importa para nós…

Ler mais
Peças de Puzzle

E temes o desconhecido

E TEMES O DESCONHECIDO, AS MUDANÇAS E A MORTE! Voltei atrás no tempo: Olhei-o e revi-me de cada vez que acordava envolta no seu abraço.

Ler mais
Peças de Puzzle

Às vezes o desconhecido assusta

ÀS VEZES O DESCONHECIDO ASSUSTA   Principalmente para Guerreiros e Guerreiras! Quando vivemos no escuro, inicialmente a luz pode assustar! Assusta porque é desconhecida e

Ler mais

Atitudes que brilham

O objectivo do grupo além de algumas partilhas positivas é o convite a algumas reflexões com o intuito de evoluirmos e de percebermos que não é o sucesso que cria a felicidade, mas que é a felicidade e superação que cria o sucesso.

Queres fazer parte do mesmo? Inscreve-te em: Atitudes Que Brilham

Gostaste? Partilha com os teus amigos, ajuda-nos a crescer. Grata Fátima Carvalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Download Best WordPress Themes Free Download
Free Download WordPress Themes
Download WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
udemy paid course free download
download lava firmware
Download WordPress Themes Free
udemy course download free
error

Segue-nos: